ESPAÇO DO CLIENTE

Constelação familiar: como funciona a terapia?

Em algumas situações, o problema individual pode ser consequência de uma influência externa. A constelação familiar leva em consideração padrões que se repetem ao longo de gerações.

Muitas pessoas, na hora de buscar um psicólogo para um acompanhamento terapêutico, se preocupam em saber qual é a abordagem utilizada pelo profissional. Isso porque cada método possui uma maneira distinta de trabalhar e, em algumas situações, mais de uma abordagem pode ser utilizada.

Entre os métodos mais conhecidos estão as terapias cognitiva-comportamental, a psicanálise, a analista e a humanista, por exemplo. Além delas, existe uma abordagem bastante usada por psicólogos para analisar padrões de comportamento, a chamada a terapia da constelação familiar.

A constelação familiar, desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger, é um tipo de abordagem que parte do pressuposto de que todo ser humano pertence a um sistema, a uma família. É aplicada considerando os padrões familiares que se repetem ao logo de gerações, e como o indivíduo pode estar atuando mais em função da consciência familiar do que da própria.

Tem como norte três ordens, as chamadas ordens do amor:

  • Hierarquia: é uma ordem cronológica, que coloca os pais antes que os filhos, o primeiro filho antes do segundo, e o amor entre pai e mãe antes do amor entre pais e filhos. Não se trata de definir um grau de importância, mas, sim, respeitar a ordem dos fatos

  • Equilíbrio entre dar e receber: se pauta pela necessidade de haver equilíbrio em todas as relações, o que gera respeito e igualdade de condições.

  • Pertencimento a um clã familiar: todos os membros têm o direito e o dever de serem reconhecidos como pertencentes à família, para que o sistema seja justo e equilibrado. Isso se aplica também a quem morreu precocemente, a deficientes, a filhos abortados, adotados, etc.

A constelação familiar utiliza o fundamento de que determinadas ordens necessitam ser seguidas para que haja um equilíbrio familiar, e, desse modo, se construa a harmonia, e que cada membro ocupa o lugar que lhe corresponde.

Como funciona a constelação familiar?

Na constelação familiar a pessoa expõe a situação ao psicólogo, como um problema com o filho, por exemplo. Então o profissional se centrará em informações importantes a respeito do entorno familiar, como doenças graves, mortes precoces, suicídios, casamentos, separações, número de irmãos e filhos, entre outros.

Em seguida, dentro de um grupo composto por outras pessoas, a pessoa precisa escolher alguns integrantes para que representem membros de sua família ou a ele mesmo. Os escolhidos são encaminhados a um ambiente de trabalho onde passam a representar o sentimento e o comportamento da pessoa dentro da família.

A ideia é que a pessoa consiga ver a própria situação representada diante de seus olhos. Porém, de uma forma que ultrapasse a ótica pessoal e chegue à análise do todo.

A partir das reações dos representantes, da conexão da pessoa com a família, o psicólogo busca conduzir os participantes a um ambiente de equilíbrio familiar. Busca ainda fazer com que a pessoa veja onde está o problema a ser tratado.

Quem pode recorrer à constelação familiar?

A constelação familiar é conhecida como um método de "mudança de consciência". Isso porque faz com que a pessoa deixe de se ver como uma vítima ou juiz em uma situação e passe a entender a responsabilidade de seus atos no processo, que podem causar danos. Ou seja, amplia a capacidade de interpretação e leitura do mundo ao redor.

É indicada para trabalhar as relações interpessoais, nos seus mais variados contextos, entendendo a pessoa como parte integrante de um grupo, tais como: 

  • relações entre membros da família;

  • relações interpessoais em empresas;

  • relações no ambiente educacional;

  • relações em comunidades.

 

Fonte: MundoPsicologos.com